Fabricante: SEGA
CPU: Hitachi SuperH4 RISC
Clock: 200 MHz 360 Mips / 800 MB por segundo de transferência de dados
Gráfico: NEC PowerVR Series II / 100 MHz - processa até 3,5 milhões de polígonos por segundo
Áudio: Yamaha AICA Sound Processor / 45 Mhz - 40 Mips - 64 vozes - 16 bit / 48 Khz - suporte para áudio 3D
CD ROM: 12x Yamaha GD-ROM (Gigabyte Disc) / GD-Rom's - Armazena até 1,2 Gigabytes
Dimensões: 189mm x 195mm x 76mm (7 7/16" x 7 11/16" x 3")
Em 1996, rumores sobre um novo console da Sega apareceram pelo mundo. De acordo com esses rumores, o codinome dessa máquina seria "Dural" (nome do chefe do jogo Virtua Fighter 2). No começo de 1997, informações sobre uma possível parceria entre Sega e Microsoft e a fabricação do processador de vídeo pela NEC/Videologic saíram de dentro da própria Sega.

Logo após essas informações a 3DFX, empresa de tecnologia gráfica, revelou um acordo com a Sega para prover tecnologia gráfica para uma nova máquina denominada até o momento de "BlackBelt". Até aquele momento, a 3DFX era muito popular por causa de suas placas aceleradores de vídeo chamadas "Voodoo" para PC's e aparentemente seria essas placas usadas na nova máquina da Sega.

Agora é claro que a Sega tinha duas máquina diferentes em desenvolvimento, uma no Japão (codinome "Dural/Katana"), e uma nos Estados Unidos (codinome "BlackBelt"). Em um determinando momento, o "BlackBelt" (desenvolvido pela Segasoft, Microsoft e 3DFX) foi apresentado para um limitado número de desenvolvedores e aparentemente foi muito bem recebido. O sistema operacional foi desenvolvido de uma maneira para tornar fácil a programação e permitir conversões de jogos para PC e do PC mais rápidas. Até aquele momento a política da Sega mostrava que poder de processamento não era mais importante do que facilidade de programação de jogos. O japonês "Katana" superava o "BlackBelt" em termos de hardware, porém tinha um sistema operacional mais difícil de ser programado.

Em julho, a Sega cancelou o acordo com a 3DFX, a aparentemente o "BlackBelt" seria cancelado também. Não se sabe ao certo o porque do "BlackBelt" ter sido cancelado em favor da versão japonesa, porém a razão mais aparente seria que os custos de produção eram muito altos, tornando o preço para o consumidor final muito "salgado". Outra possibilidade seria que o "BlackBelt" não tinha poder suficiente para competir no mercado com as novas máquinas produzidas pela Sony (PlayStation 2) e pela Nintendo (GameCube).

Nesse momento foi reportado no Japão que o codinome do console passou a ser "Katana". Foi oficialmente anunciado que a Hitachi faria a CPU para a máquina. No começo de 1998, NEC/Videologic foi confirmada para a fabricação do processador de vídeo, o PowerVR Series II. O sistema operacional foi alterado para ser fácil de uso e programação assim como era o do "BlackBelt". A Microsoft escreveu um novo sistema de desenvolvimento baseada na tecnologia do Windows CE (sistema operacional usado nos palmtops e handhelds). Em maio de 1998 o Dreamcast foi oficialmente anunciado por Bernie Stolar, até o momento CEO da "Sega of America".

O Dreamcast foi lançado dia 27 de novembro de 1998 no Japão. Os americanos tiveram que esperar quase um ano para o lançamento nos Estados Unidos. Seu lançamento foi no dia 9 de setembro de 1999 (9/9/99) com uma campanha de marketing monstruosa. Na Europa, a data do lançamento foi em 14 de outubro de 1999 e na Austrália/Nova Zelândia no dia 30 de Novembro de mesmo ano.

O Dreamcast arrecadou mais de US$ 97 milhões no primeiro dia de lançamento na América do Norte e vendeu mais de 500.000 unidades nas primeiras 2 semanas. Em um mês e meio a marca chegou a 1 milhão de máquinas vendidas.

Na Europa foram vendidas mais de 100.000 máquinas no dia do lançamento e mais de 185.000 no primeiro fim de semana.

Infelizmente, na região da Austrália, o lançamento foi considerado um desastre pelos fãs da Sega. O distribuidor oficial da Sega por lá, a Ozisoft, lançou somente 9 títulos no período do lançamento do Dreamcast, e nenhum desses produzido pela Sega. VMS e outros periféricos não estavam também disponíveis.

No Brasil, a Tec Toy (representante oficial da Sega por aqui) fez uma campanha até que grande. Cheguei a ver diversos "Outdoors" por São Paulo e alguns comerciais na televisão. Mas nem tudo são flores. O Dreamcast produzido pela Tec Toy vinha sem o Modem. Como seu preço era mais alto do que os praticados pelos importadores (e ainda por cima o importado vinha com Modem) acredito que a Tec Toy não tenha conseguido bons resultados nas vendas (isso não quer dizer que o Dreamcast não foi bem aceito).

O Dreamcast realmente era uma máquina muito potente, tanto para jogos 3D quanto para jogos 2D. Conversões do arcade eram simples e fáceis. E muitas vezes a conversão saia melhor do que o original (Soul Calibur é um bom exemplo). O que impressiona também, é o tempo de carregamento dos jogos. Alguns praticamente não tem.

O controle do Dreamcast foi praticamente baseado no controle 3D do Saturn. O controle e bem macio e fácil de segurar (apesar do seu tamanho), porém, para jogos de luta recomendo um controle Arcade. Existem 2 entradas no controle, uma para o VMU (Visual Memory Unit, ou memory card, como preferirem) e outra para o acessório de vibração do controle.

Como o VMU tem uma pequena tela de cristal líquido, ele fica posicionado no controle de maneira que você possa receber informações do jogo (um exemplo, no jogo Resident Evil: Code Veronica no VMU aparece como está sua energia). Outra característica interessante do VMU, e a possibilidade de se jogar pequenos jogos baixados da internet (o VMU contém um pequeno direcional e botões).

Bem, agora vamos as más notícias. Em 2001 a Sega anunciou que estaria parando com a fabricação do Dreamcast para se dirigir exclusivamente à produção de jogos. Isso foi como jogar um balde de água fria nos fãs da Sega. Segundo a Sega, não existia lucro real na venda do Dreamcast e sim prejuízo para cada console vendido. Tentando ver por um lado positivo, a Sega sempre fez ótimo jogos. Caso a fabricação do DC continuasse, provavelmente a Sega iria a falência e nós perderíamos jogos espetaculares. Tudo bem que por incrível que pareça nós estamos vendo Sonic em um console da Nintendo, mas é um preço baixo para se pagar.



-- JOGOS LANÇADOS PARA DREAMCAST --




TAGS RELACIONADAS: